Atomic Rooster: Um breve passeio pela discografia da banda

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 10:16

A primeira formação da banda com Vincent Crane, Nicky Graham e Carl Palmer.

Por Rose Gomes



O Atomic Rooster é daquelas bandas que são definidas em duas fases: seu início, com uma pegada mais crua e  fiel a certos elementos e uma segunda fase, com um som mais perdido, sem identidade definida. No caso da banda em questão as décadas de 70 (nascimento do grupo) e 80 descrevem muito bem esta situação.Talvez seja por isso que  o som dos caras seja meio difícil de definir, afinal, eles passaram por mudanças radicais durante sua existência, mas eu classifico a banda como sendo uma espécie de hard e progressivo com um leve toque de blues. Parece complicado né? Só ouvindo mesmo pra entender.

A história dos caras é a seguinte: Vincent Crane e Carl Palmer, sim, ele mesmo, do Emerson, Lake & Palmer eram da banda  de rock psicodélico The Crazy World of Arthur Brown e resolveram formar o Atomic  Rooster em 1969. Crane, o tecladista foi o único membro constante, e coautor da maior parte do material da banda. Ao todo são sete álbuns de estúdio que mesclam um hard rock cruzão  com progressivo, blues e infelizmente decaem na década de 80 com dois álbuns meio perdidos feitos à base do som que rolava na época.


Quando eu resolvi falar do A.R fiquei um pouco indecisa se comentaria sobre a discografia deles ou se deixaria pra falar apenas do disco debut, o homônimo de 1970, que apesar de ser o mais desprezado pela crítica e fãs é o que mais aprecio, então fiquei tentada a falar rapidamente de todos, até porque pra quem não conhece o trabalho da banda acaba sendo uma boa dica né?



Pra começar, como já disse anteriormente, “Atomic Rooster” de 1970 é meu preferido. O disco de estreia da banda traz um hard setentista muito bem elaborado com toques progressivos e um instrumental divinamente bem executado, como na viajante “Before Tomorow”. A pegada do blues se faz presente de maneira mágica na faixa que considero a mais bela da carreira dos caras, a balada “Broken Wings” que destaca fortemente o belo trabalho de Nick Graham no baixo e Vincent Crane no clássico órgão Hammond.  Enquanto as faixas “Friday the 13th” (que abre brilhantemente os trabalhos) e “S.L.Y” representam muito bem a parte do hard setentista que eu já havia mencionado, com viradas extremamente engenhosas de Carl Palmer  na batera, “Decline and Fall” se mostra mais experimental e  apresenta  de maneira bem mais explícita os dotes musicais dos integrantes, com forte destaque a Palmer que, mais uma vez mostra do que é capaz na bateria. Todas as vezes que escuto este disco me pergunto o porquê de não o valorizarem devidamente.





Ainda no ano de 1970 o Atomic Rooster lançou um de seus  maiores sucessos, o álbum muito bem aceito pela crítica “Death Walks Behind You”, que traz excelentes composições como a faixa-título, muito bem executada   e "Tomorrow Night" que se tornou uma das canções mais aclamadas pelos fãs. Deste álbum ainda destaco as faixas "VUG" e "Gershatzer", ambas fortemente trabalhadas no progressivo. Vale lembrar que este disco tinha a formação considerada por muitos como “clássica”, que contava com  John Du Cann na guitarra e vocais, Vincent Crane no órgão  e Paul Hammond na batera.





No ano seguinte foi a vez de “In Hearing of”, terceiro álbum da banda a dar as caras. O estilo permanecia o mesmo, só que neste novo trabalho a banda trazia uma novidade: Pete French assumia os vocais, o que na minha modesta opinião só acrescentou. Deste belo disco destaco as faixas "Breakthrough" que traz  caprichada harmonia entre piano e bateria, “Black Snake” que me remete aos primórdios do  Deep Purple, talvez pelo teclado a lá Jon Lord de Vincent Crane, que aliás também faz o vocal nesta canção e a instrumental “The Rock” que traz a guitarra jeitosa de Du Cann contrastando de forma cativante ao órgão hammond.





O quarto álbum do Atomic Rooster, intitulado “Made in England” traz um estilo mais voltado ao funk e ao soul, graças à influência de Chris Farlowe, que assumiu os vocais nesta nova fase. A banda já não contava mais com John Du Cann e Paul Hammond, respectivamente guitarrista e baterista, que contrariados com os novos rumos musicais que o grupo tomava  decidiram deixar a banda. Apesar do estilo mais voltado ao som black, “Made in England”  não deixou de lado as guitarras e o órgão e a faixa “Time Take My Life” é prova disso. Carregada de saxofone, violinos e uma boa percussão, a canção abre o disco de maneira brilhante. Outras faixas interessantes do disco são a contagiante “Stand by Me” caprichada no wah-wah e no baixo marcado e a viajante “Space Cowboy” que traz alguns efeitos psicodélicos bem interessantes.





O ano era 1973 e o álbum “Nice ´n´ Greasy” era lançado em setembro. O quinto trabalho da banda seguiu o estilo mais voltado ao soul do álbum anterior e Chris Farlowe parecia se soltar ainda mais ao microfone, o que garantiu faixas com interpretações primorosas como “All Across the Country” e "What You Gonna Do", composição do próprio Farlowe que traz um blues swingado, gostoso de se ouvir. Outros destaques deste trabalho ficam por conta das faixas muito bem executadas “Take One Toke” e “Satan´s Wheel”.






A banda deu uma parada por sete anos voltando em 1980 com o sexto trabalho denominado “Atomic Rooster”, assim como o debut de 1970. O disco marca a volta de John Du Cann à banda reassumindo os vocais e traz faixas bem mais pesadas, definindo uma nova fase do grupo. “They Took Control of You” pode assustar àqueles mais acostumados com o estilo antigo da banda, pois traz uma batida bem mais agressiva e vocais mais fortes. “Where's the Show?” (faixa que originalmente entraria no trabalho solo de Du Cann) e “Watch Out”(melhor faixa do álbum) são outros bons exemplos da mudança radical. No mais o destaque fica mesmo por conta do órgão.






Chegamos ao sétimo e último trabalho da banda, de 1983, “Headline News”. O álbum traz de volta Paul Hammond na bateria e Vincent Crane volta aos vocais ocupando o lugar que Du Cann deixou vago mais uma vez. Outra presença de forte destaque é a de David Gilmour (sim, ele mesmo) na guitarra. Com um som mais futurista as faixas de maior destaque são a dramática “Hold Your Fire”, a dark “Metal Minds”  e “Dance of Death” que traz batida típica  da New Wave da época. Um disco totalmente diferente do que a banda havia feito anteriormente.
 


A discografia da banda mostra claramente que seus integrantes buscavam frequentemente por mudanças, o que acabou culminando em discos fracos e mal sucedidos (na minha opinião) ,como os dois últimos trabalhos. Ao ouvir mais uma vez a discografia dos caras reforço ainda mais minha preferência pelo disco de estreia – “Atomic Rooster” de 1970 - e indico ainda mais este trabalho desta brilhante banda que infelizmente se perdeu em meio a tantos caminhos musicais que se abriram.



 

Comments (2)

Belíssimo post. Curto essa banda pra caraio!

Só pra lembrar: amanhã, 14 de fevereiro, é o dia da morte do Vincent Crane. Que Deus o tenha, pois o cara merece. Um enorme talento, pouco reconhecido.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...