Rival Sons: Rock N´Roll Retrô para os mais saudosistas

Posted by Rose Gomes | Posted in | Posted on 10:00




Por Rose Gomes



Fazia tempo que eu não ouvia algo atual que me soasse tão antigo e o mais importante, de qualidade. Pra galera apaixonada pelo rock cruzão do final dos 60 e começo dos 70, com uma certa influência do Blues, esta banda americana é um senhor presente dos Deuses. Seu nome (anota bem aí se você nunca ouviu falar): Rival Sons; e a música que estes caras fazem remete ao mais puro e clássico Rock N´Roll. O que mais espanta é que o grupo é extremamente novo – foi formado em 2008! – e já alcançou um certo reconhecimento (merecidíssimo, inclusive). Na batera cheia de explosão Mike Miley, no baixo, exalando técnica, David Beste, na guitarra (e que guita, meu irmão!), Scott Holliday e nos vocais rasgados, sofridos e “setentísticos”, Jay Buchanan.


O primeiro disco dos caras, produzido pelos próprios, Before the Fire, foi lançado em 2009 e disponibilizado na íntegra para download. No álbum é possível perceber a forte influência de bandas antigas que variam de Led Zeppelin até Animals. A primeira faixa, Tell Me Something (led-zeppelianíssima) é o grande destaque do disco, tanto que acabou sendo usada na campanha das 500 milhas de Indianapolis daquele ano e a partir daí a carreira da banda começou a deslanchar. Deste incrível trabalho debut ainda destaco Luck Girl, Memphis Sun e a psicodélica Pleasant Return.




Em 2011 foi a vez do segundo álbum, Pressure & Time ser lançado, agora com direito a contratinho bonitinho assinado com a Earache Records e a uma capa transadona feita por ninguém menos que o saudoso Storm Thorgerson, responsável pelas melhores e mais icônicas capas de disco do Rock. A essas alturas o Rival Sons já havia aberto shows para a “tia” Alice Cooper, o ACDC e alguns outros nomes de grande expressão no cenário musical. Pressure & Time foi escrito, gravado e mixado em um tempo recorde de apenas 20 dias, o que de acordo com os caras estava perfeito para que o som soasse mais cru. E realmente não há do que reclamar quando se ouve faixas como Young Love, a título Pressure and Time, Get Mine ou a bela balada Only One. Este álbum me remeteu além de Led, também à sonoridade do Black Crowes.





Finalmente chegamos ao terceiro disco e mais recente da banda – meu preferido -, lançado em 2012, Head Down. Os riffs iniciais da primeira faixa, Keep on Swinging já mostram o que vem pela frente neste disco que traz claras e fortíssimas influências de bandas como The Who, The Doors, Bad Company e todas aquelas bandas sessentistas-setentistas que eu amo, resultado: fiz (e faço a festa) toda vez que ouço. Head Down é disco de se ouvir de cabo a rabo mas vou destacar a faixas mais imperdíveis que são (além da já citada Keep on Swinging), You Want To (batera The Whozística), Until the Sun Comes (atmosfera totalmente sessentista), Run From Revelation (baixo, guitarra e batera perfeitamente sincronizados, que música!) e a bluezística Manifest Destiny, Part 1, que é de pirar.




Por enquanto esta é a discografia da banda, três disquinhos altamente recomendados pra você que curte um rock “retrô” com uma boa pitada de blues e vale lembrar que atualmente os caras estão em turnê pelos EUA e Europa e fica a torcida desta que vos escreve  para que eles toquem muito em breve em terras brasileiras.




Comments (1)

Minha banda favorita,post sensacional. Faça dos novos, sexta sai o quinto álbum!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...