Iron Maiden: Kevin Shirley listas suas canções favoritas (que ele mesmo produziu)

Posted by TRMB | Posted in | Posted on 12:57

Kevin Shirley é o produtor oficial do Maiden desde que a banda retornou com sua formação clássica (+ Janick Gers) em 1999. De lá pra cá produziu todos os discos de estúdio e ao vivo que a Donzela lançou, incluindo, claro, o disco que está sendo oficialmente lançado hoje, The Book of Souls.

O site Team Rock desafiou o produtor a escolher as canções favoritas do Iron Maiden que ele produziu. O resultado é uma lista interessante, veja o que disse o produtor:

Paschendale (Dance of Death, 2003)
Paschendale é um som baseado na Batalha de Ypres, em 1917, durante a Primeira Guerra. Você pode sentir o clima todo na canção. É uma típica faixa do Maiden em seu poder total.



When the Wild Wind Blows (The Final Frontier, 2010)
Essa canção é alucinante. Steve Harris ainda estava trabalhando na canção quando trouxe para o estúdio. Como estava inacabada, todos nós fomos aprendendo sobre ela e não foi fácil para ninguém. Outra faixa épica. Foi baseada em um cartoon que Harris viu sobre um casal que confundiu um barulho a longa distância com um ataque de bomba nuclear.


Blood Brothers (Brave New World, 2000)
Essa canção sintetiza a banda para mim – verdadeiros irmãos. É ótima ver a canção ser tocada ao vivo já como um grande clássico da banda e ver os milhares de fãs cantando junto.


The Longest Day (A Matter of Life and Death, 2006)
Outra faixa épica sobre o dia D na Segunda Guerra Mundial. A coisa com o Iron Maiden é que você sente as emoções que eles representam em suas canções.


The Reincarnation of Benjamin Breeg (A Matter of Life and Death, 2006)
Uma das que me intrigou desde a primeira vez que escutei!


Montségur (Dance of Death, 2003)
O Maiden sempre escreveu com referências históricas. Essa canção é sobre os Cátaros e do ataque à sua cidadela de Montségur, na França, onde a comunidade foi massacrada em vez de renunciar à sua fé.


Fear of the Dark (Rock in Rio, 2002)
O sistema de PA havia explodido na noite anterior do show. A banda não sabia sobre isso e subiu ao palco com uma PA não funcionando no palco. Nós literalmente gravamos o show em quatro máquinas ADAT na parte traseira de um caminhão utilitário. A multidão de 250.000 mil pessoas cantou junto. Ainda me dá arrepios quando ouço hoje.


Rime of the Ancient Mariner (Flight 666, 2009)
Esse filme foi um desafio. Só o pessoal de cinema determina o set list por um itinerário. “A primeira faixa é a primeira performance da primeira música do set list, a segunda faixa é a segunda performance da segunda canção do set list...”. Isso não faz o menor sentido para os músicos que apenas preferem escolher as melhores performances. Apesar de tudo isso a banda entregou um desempenho sublime.


The Book of Souls (The Book of Souls, 2015)
A faixa-título do novo disco é sobre os antigos maias e tem mais de 10 minutos. Começa com um groove majestoso em mid-tempo. Seis minutos depois ela explode em uma faixa animal. Bruce cantando o refrão tem que ser ouvido para se acreditar. Não tenho palavras para o quão alto ele pode contar. Ele é uma aberração da natureza.

Empire of the Clouds (The Book of Souls, 2010)

Com 18 minutos, essa é a maior faixa já gravada por eles. É a história de um dirigível inglês, o R101, que foi construído entre as duas Guerras Mundiais e era tão grande que o Titanic poderia caber dentro. A canção tem Bruce no piano, uma novidade no Iron Maiden. A canção contra a história da aeronave: a sua herança, sua majestade, o vôo e seu fim trágico. É como uma mini-opera-rock, com muitas joias escondidas. Ouça o dirigível que voa, o código morse e a queda épica...

Comments (0)

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...